Resenha do filme Bokeh

segunda-feira, 3 de julho de 2017
Hey gente!

Inicialmente, eu iria apenas adicionar o filme Bokeh na lista de filmes que não gostei e resumir em um parágrafo o motivo de eu não ter gostado, mas ao finalizar minha opinião percebi que escrevi muito mais sobre ele do que o esperado.

Eis que resolvi trazer minha opinião mais detalhada sobre o filme Bokeh em forma de resenha. Ele está atualmente no catálogo da Netflix para quem tiver curiosidade de assistir.
Em um refúgio romântico na Islândia, um jovem casal americano acorda numa manhã e descobre que as pessoas na terra desapareceram. Sua luta para sobreviverem e para conciliarem o evento misterioso os levam a reconsiderarem tudo o que sabem sobre si mesmos e sobre o mundo.
Título Original: Bokeh
Direção: Geoffey Orthwein, Andrew Sullivan
Gênero: Suspense, Drama
Ano: 2017

O cenário é o seguinte: o casal Jenai e Riley vão fazer uma viagem de cinco dias para a Islândia e até aí ok, né? Chegando por lá, dão uma de turista gente como a gente, captando todos os pontos turísticos, melhores ângulos para as fotos e seguindo a rotina normal estabelecida.

De repente, enquanto eles se preparavam para mais um dia, percebem que a cidade estava mais parada que nunca. E é aí que encontramos o erro, não é mesmo?
A população sumiu, misteriosamente. E não foi só o pessoal da Islândia, basicamente, a terra parou e por algum motivo não "afetou" os dois.

Primeiramente, por que a população sumiu? Segundo, por que só eles dois sobreviveram a esse mistério?

Não gostei do filme devido 1) questionamentos não respondidos, 2) os acontecimentos finais não tiveram sentidos, 3) o final propriamente dito não "finalizou", mas deixou subtendido o que aconteceria (ou talvez nem acontecesse o imaginado), 4) o que o título tem a ver com o filme?
Algumas cenas pareciam até que podiam desvendar o mistério, mas não passaram de alarmes falsos. Eu tive umas três suspeitas do que poderia ser. Era como se os diretores tivessem propositalmente gravado uma cena fazendo o telespectador pensar que um simples objeto poderia ser o causador disso tudo, entendem? Semelhante aos filmes mais clichês do mundo, que você sabe o óbvio e as cenas tendem a você perceber isso. 

Pensei que poderia ser um filme semelhante ao mistério da série Under The Dome, mas não foi. Quer dizer, nem isso sabemos por que o filme não conta.

Bokeh é um termo japonês de fotografia e pelo que entendi é a parte borrada/desfocada daquela foto que você decidiu focar em uma única coisa, sabe?
Claro que deve ter uma reflexão por trás do filme, mas fiz o papel de pessoa que encontrou um filme aleatório com sinopse legal na Netflix e resolveu assistir pensando que seria um filme para passar o tempo e quebrou mais a cabeça do que imaginava, não é mesmo?

O filme finalizou sem responder as três perguntas citadas por aqui, infelizmente.
Um ponto positivo para o filme é o cenário incrível, as imagens são lindas. Não é um filme com muitos personagens (são apenas três), mas vemos vários pontos da Islândia.

Espero que tenham gostado!

Quem já assistiu? Me contem a opinião de vocês!

Beijos, Lah!

52 comentários:

  1. Também não gostei do filme. O que aconteceu? pq aconteceu? Pq só tinha eles e depois aquele velho?... Como disse, muitas pontas soltas. O filme não explica nada, mais um daqueles filmes que se diz cheio de mensagens de reflexão, mas que no fim não transmite nada! A princípio achei que fosse com uma pegada de ficção científica com aquele flash no meio da noite e no dia seguinte não tinha mais ninguém, depois vem os questionamentos religiosos que os protagonistas levantam, mas no fim acabam em nada. Sinceramente achei o filme uma total perda de tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faço as suas, as minhas indagações, ?????????

      Excluir
    2. Pensamos muito..e vamos ficar sem respostas..estava achando um bom filme,dei uma pausa e faltavam 16' p terminar..ali percebi..furada!!E acertei..levou a lugar algum..putz

      Excluir
  2. Ruim demais! Confuso, estranho e falho.

    ResponderExcluir
  3. Não me importo que um filme seja complicado e me faca pensar, até gosto. Mas detesto filme sem final. Parece que alguns diretores/roteiristas ficam com preguiça de dar um fim a certas histórias, complicam tanto que em certo ponto já nao sabem como explicar e deixam tudo como está.

    ResponderExcluir
  4. Para mim, a única explicação plausível para o filme é que eles sofreram um acidente e a Jenai fica em coma (por isso várias vezes Riley tenta acordá-la no filme)
    Quando aparece o velho a impressão que tive é que ele era um médico e quando ele morre é a desistência do tratamento, pois a morte dela já seria certeza.

    Não consegui identificar a questão das fotos e do e-mail, não sei como se encaixaria na minha teoria.

    Obviamente o final seria Riley voltando para casa após a saída do hospital e a morte de Jenai.

    Acho que essa linha seria a mais interessante caso fosse real, não consegui encaixar outra coisa se não essa.

    :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. as fotos talvez lembranças dela/dele, e no e-mail que ela recebe no final, ele diz '' ainda podemos aguardar o inverno juntos '' talvez querendo dizer a ela, que ela ainda pode melhorar, e sair do coma, e passarem o inverno juntos!

      Excluir
    2. eu acho isso sensacional... os humanos podem ser incríveis.
      Pra tudo queremos uma resposta. Sempre achamos que ela existe... e nos esforçamos para tê-la. Para nos apropriarmos dela.
      Eu, sinceramente, acho que o foco do filme vai, MTO além do motivo deles estarem la (aliás, esse não é nem objeto do filme)... É extremamente superficial, na minha opinião, assistir a esse filme e no final se perguntar por que a população desapareceu? por que eles sobreviveram?
      Vcs estão parecidos com a jenai.

      Excluir
  5. "é a parte borrada/desfocada daquela foto que você decidiu focar em uma única coisa"... Talvez seja esse o sentido! No filme só focamos em uma coisa... E se o sentido estiver nas partes "borradas" ou "fora de foco"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Finalmente alguém entendeu o filme.
      As pessoas (assim como a Jenai) preferem perder seu tempo atrás de respostas, do que aproveitando o que a vida lhes trouxe de bom.
      A personagem ficou focada somente nas perdas, não conseguiu ver que tinha um mundo todinho seu para ser reconstruído e com o luxo de estar ao lado do seu amor.
      Pior pro Riley que terá que viver só. E pior pra quem não conseguiu aproveitar esta obra prima.

      Excluir
  6. É um filme pra pensar na vida. A vida é assim. Sem sentido. Ou damos um sentido pra ela e apreciamos a paisagem ou ficamos perguntado por que, por que e desistimos. Os diálogos com o velho são esclarecedores. A diferença de postura e os diálogos entre o casal também. Diria que é um filme conceitual-existencial. Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você explicou melhor que eu, o que eu entendi do filme.

      Excluir
    2. Exatamente isso. Eu me coloquei no lugar deles e me senti mais confortável no lugar do Rilley, pois eu faria exatamente o que ele estava tentando fazer, apenas seguir em frente, viver com o que eu tinha ali e o que poderia fazer para tentar sobreviver adiante. Os questionamentos são infinitos, porém em uma situação onde as respostas não estão evidentes, o melhor a fazer é como vc bem o disse,apreciar a paisagem e que paisagem viu? Nada de um mundo horrível ou apocalíptico como geralmente se apresentam em filmes de ficção, com o mundo todo ferrado. Nesse temos um mundo bem intacto, então é só seguir...

      Excluir
  7. O velho era Deus dizendo que eles não fazem parte do mundo dele. Dá a mensagem e vaza.

    ResponderExcluir
  8. Pra mim o filme se parece um pouco com a história de Adão e eva,ela esta sempre com uma maçã e insatisfeita com a situação atual,ela achou o velho na árvore talvez o velho seja o satanas,agora uma coisa q eu observei foi uma pedra com umas inscriçoes q ele pincelava ,ali tem algum significado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade jovem... eu fiquei curioso demais com aquilo...

      Excluir
    2. A pedra foi outro dos mistérios..e nós nem vimos o q ele digamos,apagou/borrou..a mensagem dele p mim foi direta e clara,somos 1..

      Excluir
  9. Gente, adorei as opiniões de vocês. Obrigada por compartilharem e nos ajudar a entender melhor o filme!

    ResponderExcluir
  10. Acho que esse filme é para pensarmos o que faríamos diante de situações na vida, como reagiríamos...
    Sei lá, acho que é por aí...

    ResponderExcluir
  11. Acredito que o filme tenta mostrar a postura religiosa dependente de uma postura ateia independente. Enquanto a Jenai tenta encontrar sentido no meio daquela situação inexplicável, Riley fica o tempo todo tentando mostrar pra ela que, apesar do caos, é possível ter uma vida independente das pessoas em volta.

    ResponderExcluir
  12. Sua opinião é similar a maioria das opiniões que vi na internet sobre o filme. E acho bem interessante tudo isso... É humano questionar. E querer respostas prontas pra tudo. Querer um sentido pra tudo.
    Ironicamente.... O filme fala sobre isso. a postura dos persongens diante do fato que o passado não é relevante no momento, muito menos o futuro... O focar no presente (que, aparentemente, é o que importa / o que ''temos'') e pelo filme... e tbm pela realidade (meu ponto de vista) a maioria das pessoas não sabem viver o agora.
    Assisti a pouco ao filme. E eu sinceramente gostei.
    Não há respostas pra tudo. Se vc quer um sentido (pra sua vida, por exemplo)... procure um e use-o.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A pesar do mistério... O casal tinha o mundo em suas mãos e mesmo assim não foram felizes. Isso nos mostra que o que importa não é ter. Ter bens materiais, ter liberdade para fazer tudo etc. O "ter" pode até trazer momentos felizes, mas não traz a verdadeira felicidade. O que importa de fato, ao meu ver, é a união das pessoas para o bem. Se não, nada faz sentido mesmo. BC

      Excluir
  13. entendi que há dois tipos de reações ao ver o filme, a reação da Jenai e a reação do Riley. Quem quer tudo entender e quem curtiu os momentos do filme.

    ResponderExcluir
  14. Na verdade pode ter sido uma explosão nuclear, ou alguma experiência na área da física de partículas que pulverizou tudo e jogou todas as pessoas aleatoriamente em uma frequencia vibracional (dimensão) especifica, ou seja, cada pessoa do mundo (ou um pequeno grupo) está vivendo em uma dimensão própria. Esta dica foi dada pelo velho Nils (que acredito que estava envolvido nas experiências) quando ele fala sobre "cada pessoa em seu espaço tempo" e que "Deus não existe ou não se importa".

    Este evento estranho é iniciado no momento que a Jenai enxerga o clarão na aurora boreal.

    ResponderExcluir
  15. Temos o hoje, o passado já era, o amanhã pode não existir.
    O sentido da vida é que faz superar tudo inclusive ausências.
    O amor nos mantém sobrevivendo, mesmo que seja amor próprio, como o Riley ao final que sobreviveu.
    É interessante como motivados por uma paixão dizemos facilmente " meu universo é você " mas na realidade tão adversa isso facilmente não se sustenta.
    Gostei da foto em especial desse filme.
    Da realmente vontade de conhecer a Islândia.
    A falta de respostas é porque, quem realmente as tem ?
    Mas amor e sentido na vida sem dúvida é o que há de mais básico para a sobrevivência no conforto ou no caos.

    ResponderExcluir
  16. Se as pessoas sumiram, pq havia apenas um carro na ligado na rua? onde estavam os onibus, aviões, ou carros q perderam a direção entrando em lojas...sei lá, apenas critica da minha parte. Gostei do filme e gostei de algumas sugestões q tentaram explicar. Desde o inicio ele disse uma frase sobre "capturar o momento" quando falava sobre fotografia, dizia isso sobre edições de foto q alteram a realidade da foto (manipulaçoes), a vida real é mais simples, bonita e do jeito q verdadeiramente é...a idéia do coma foi a melhor p mim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A reposta é simples: todos sumiram às 3h24 da madrugada!! Não havia motivos para que a cidade estivesse em movimento. Por isso só um carro na rua, era alguém que precisou ir em algum lugar de madrugada, uma exceção de alguém que não estava em casa dormindo.
      Talvez em outras partes do planeta, vários "acidentes" tenham acontecido.

      Excluir
  17. Sinceramente não sei porque fizeram uma coisa dessas, só pra quem não tem o que fazer pela vida toda. Não perca seu tempo.

    ResponderExcluir
  18. Filme lixo. Me fez perder tempo. Só não perdi mais porque na medida que fui percebendo que havia uma cena atrás da outra quev eram irrelevantes eu comecei a passar para frente, parando onde parecia ter algo relevante. Mas nada. Netflix está muito ruim de filmes

    ResponderExcluir
  19. Não gostei. Podemos viajar nas interpretações, mas achei muito.ruim.

    ResponderExcluir
  20. Tem um teórico dentro da psicologia Milton Erikson ... a hipnose Doidinha é bem conhecida ... ele contava histórias desfecho para os pacientes dele... uma história com conclusão manipula ... uma história sem desfecho desperta a pensar ... criar ... imaginar ... nos ajuda a ampliar a consciência a esquentar a cabeça mas sempre pensar gera desconforto! Mto melhor que pensem por você... o filme nada mais é do que a vida ...vou alguém conhece uma morte com um belo final ? As pessoas morrem do nada... estão andando na rua e toma um tiro ... ou estão conversando e tem um ataque ... É os planos tudo ... fica para trás... essa é a vida ... Mas a garota precisava de explicação e de desfecho... até imprimiu as imagens dela para ele como um último presente ... a morte dela sim foi planejada ... no meu caso ficou evidente o egoísmo dela ... ela não queria ficar só... ficou brava por ele se machucar ... Mas no final ela abandona ele ... isso é o legal nesse filme... cada um percebe uma parte ... precisamos uns dos outros para entender como um todo! Adorei as outras interpretações

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Incrível sua análise,obrigada. Quando acabou o filme eu não sabia como entender, o que pensar... agora vendo os comentários, consigo ver por vários ângulos...todos me ajudaram a entender um pouco, e achei muito interessante o filme.

      Excluir
  21. Apenas um filme, ideia de um homem, não deve formar opiniões sobre questionamentos tão importantes.
    Não se encontram respostas assim.
    A não ser que as pessoas são vazias.
    A vida na terra e muito mais do isso.

    ResponderExcluir
  22. Por que moderador aqui. Não somos livres para nós expressar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você fala da moderação dos comentários? Não é só nesse post, é no blog todo. Todo mundo tem direito de se expressar, mas não aceito quem age com desrespeito, pra evitar isso no blog todo que resolvi moderar os comentários. Mas pode dar sua opinião tranquilamente, aceitei todos os comentários que o post recebeu.

      Excluir
  23. Engraçado, o que eu fiquei pensando foi em como as pessoas são relevantes nas nossas vidas e que, caso elas sumam, nem mesmo toda a riqueza do mundo faria a vida ter graça...

    ResponderExcluir
  24. O foco do filme não é o que aconteceu com o mundo, mas o drama vivido pelos dois. Na verdade a conclusão que tive é de que tudo perde o sentido quando ficamos sozinhos no mundo.

    ResponderExcluir
  25. Eu sou sozinha no mundo, consigo viver assim, minha cia srmpre foi séries e filmes . Claro que mesmo vivendo como uma ilha as pessoas ao redor estão vivas , diferente do filme no sentido real. Mais fiz um comparativo com minha vida, pois e assim mesmo que vivo, como se só existisse eu no mundo.

    ResponderExcluir
  26. Reparem q na foto que ela recebeu, a data eh a mesma do dia de partida para a Islandia: 6/9 ou 9 de junho. Junho la eh verao e o ceu invernal levaria meses pra chegar. Demais para quem so ia passar pouco tempo por la. Nao sei a resposta do filme, mas acho q essa eh uma boa posta

    ResponderExcluir
  27. Para enriquecer os comentários, cabe acrescentar que o velho da história, ao conversar com Jenai pegou uma pedra com inscrições rúnicas como também da mitologia Islandesa. Dentre os símbolos gravados nesta pedra, dois foram particularmente evidenciados, o VEGVISIR e o KAUPALOKI, o primeiro é a bússola protetora para não se perder nos caminhos da vida e da alma e o segundo para dar como proteção ou sorte, dando-lhes o que eles querem. No momento em que o velho unta um pincel e o passa nos símbolos tem o significado da consagração deles como também a realização do seu pedido (se encontrar com seus familiares)... O filme tem muitos elementos subliminares e ocultos (como tantos outros filmes). Muitas das opiniões anteriores me ajudaram muito como espero que a minha seja em parte...

    ResponderExcluir
  28. Se aparecesse eles mortos no fim , e eles estivesse num tipo de inferno ou céu , faria mais sentido

    ResponderExcluir
  29. Eu creio que este é o tipo de filme que quando acaba ou você ignora totalmente e já o tacha como lixo (como muitos fizeram) ou você para e pensa em qual mensagem o autor quis nos passar. Mas em especial, este filme nos da muuuuitas mensagens, nos dá oportunidade de reflexão sobre muitos assuntos. E o mais bacana de tudo foram os comentários aqui , pois cada um enxergou algo do filme. Sensacional. Como eu acabei de assistir, eu confesso que tem muita coisa confusa. Mas com certeza ficarei dias pensando e refletindo sobre ele.

    ResponderExcluir
  30. Acabei de ver o filme e me deu a entender que só aqueles que viram a aurora boreal é que sobreviveram. Esse fenômeno só acontece em determinados lugares frios. Aconteceu as 3 da madrugada, horário em que todos estão dormindo. Vimos quando a Jenai se levanta e presencia o fenômeno, mas quase no final do filme quando ela verifica uma nova imagem no computador(esperando ser o retorno das pessoas) descobrimos que o Riley também presenciou o fenômeno e tirou uma foto. Por isso ela surta e faz o que fez no final, pois ela entendeu o que ocorreu e viu que não tinha mais esperanças de retornar ao mundo de antes. O velho também pode ter visto e por isso sobreviveu também.
    Sei que o filme é mais do que isso mas foi o detalhe que percebi e quis compartilhar.

    ResponderExcluir
  31. Ótimo filme sem a mesmice de sempre , mas com um grande msg ,cada um tirou sua própria conclusão . Quem nós faz feliz são as pessoas

    ResponderExcluir
  32. Rylei é deus e o velho é satanás ou vice versa e eles estão travando disputa pela humanidade através da jenai. Achei o Rylei muito tranquilo e o velho questiona sempre Deus. O termo Bokeh-fora de foco talvez eateja relacionado a isso.

    ResponderExcluir
  33. Não entendi nada :(

    ResponderExcluir
  34. Simples...Ficaram apenas os dois no mundo. mas como Riley era estupido, idiota, imbecil e fútil ela preferiu se matar a viver com ele no planeta. Moral da historia: Não importa o quanto algo bom possa se tornar ruim. sempre pode piorar.

    ResponderExcluir
  35. O filme pode ser uma metáfora sobre a soliďão, como suportá-la,e ao mesmo enfrentar o que se apresenta sem buscar explicações racionais para o que aconteceu.

    ResponderExcluir
  36. Gente eu assisti esse filme hoje, no geral achei muito bom e a princípio fiquei tipo "como assim?" com aquele final. Resolvi vim procurar explicações, acho que li todas as críticas daqui e agora tô caducando, são várias visões diferentes, um filme pra assistir de novo e prestar atenção em cada detalhe pra tentar encaixar cada uma dessas visões ou entender a verdadeira história. Mas uma coisa que eu não vi ng comentando (talvez ng tenha percebido e eu tenho certeza que não eh mera coincidência) eh que o clarão da aurora boreal acontece as 3h24 (a câmera foca bem no horário quando ela tá acordando), assim que eu vi eu já pensei "esse número vai ter alguma coisa a ver". E alguém por acaso viu o número do quarto do hotel que eles estavam? 324! E deve ter alguma coisa a mais no filme com esse número, e eu não percebi. Meu palpite: eles foram os selecionados por isso, achei que teria alguma coisa desses números com o velho tb mas não achei nada. O entendimento que vem depois disso não sei, mas com certeza não eh só um horário...

    ResponderExcluir
  37. Apesar de concordar com muitas análises e teorias (essa da explosão em que as pessoas foram para frequências diferentes é muito boa e aquela de que só ficou no mundo quem viu a aurora boreal também, apesar de não explicar porque no resto do mundo todos sumiram, já que cada local tem um fuso horário diferente e haveriam pessoas acordadas em outra parte do planeta para assistir a esse fenômeno), a princípio eu me senti igual à autora do blog: fui enganado. Esperava um filme sci.fi e me deram um drama existencial.
    No final das contas, eu não gostei do filme pois não prestei a devia atenção ao filme já que esperava algo diferente. Talvez uma sinopse diferente me levasse a assistir ao filme com um pensamento diferente, com outro objetivo (não tentaria achar a reposta para o sumiço da humanidade, coisa que você busca em filmes apocalípticos), ou, quem sabe, nunca teria assistido a esse filme pois não iria procurar um drama existencial.
    Por bem ou por mal, eu parei para analisar qual o sentido que esse filme quer passar. Para quê o diretor colocou esses dois em um filme em que todo mundo some?? Cheguei à conclusão de que tudo não passa de uma metáfora para a vida após o casamento.
    O filme inteiro não existiu e tudo não passa de uma simbologia para o que os recém casados enfrentam no início de uma relação independente de casal.
    Vejam: eles estavam em lua de mel, era tudo flores, as mil maravilhas. Depois que a lua de mel acaba, vem o primeiro "baque": não tem mais café da manhã pronto. Eles agora precisam se virar para fazer seu alimento.
    A metáfora continua com eles precisando se mudar para uma casa nova, ele gostou e ela não tanto, mas se muda mesmo assim (se você é casado, com certeza você está se enxergando nessas situações).
    No princípio do casamento, fazer compras, passeios e ter relações sexuais em lugares inusitados dá felicidade ao casal. Mas apenas no início do casamento.
    Quando há algum tipo de dificuldade, quando a saudade aperta, a mulher do filme quer voltar para casa, ao aconchego da mãe, àquele ambiente em que se sentia segura com seu livro de "confissões" de quando era uma adolescente sem responsabilidade familiar na asa dos pais.
    Enquanto que o homem do filme está preocupado em dar o melhor para a família, ser o provedor, garantir que fiquem bem com seu trabalho. (OBS: eu acredito que na vida real haja homens fazendo o papel dessa mulher e mulheres fazendo o papel desse homem).
    A mulher preocupada com a saúde do esposo e o esposo negligenciando sua saúde.
    No fim das contas, a mulher do filme tinha depressão, mas não se tratou. (Não existiam médicos/psicólogos).
    Por fim, vejo que em nenhum momento do filme os dois conversam sobre ter filhos e repovoar a Terra. Senti falta desse diálogo. Mas acredito que, assim como o nome do filme não foi sem sentido, esse fato também foi omitido de propósito.
    Talvez o casal chegou à conclusão de que não queriam descendentes (hoje em dia isso é muito comum). E com essa decisão, a Jenai sente ainda mais o vazio dentro de si. Some isso à impossibilidade de voltar à vida com seus pais, aliado à perda de um ente próximo importante para ela (no filme, seria a única outra pessoa viva no planeta, Na vida real, pode ser um avô, o pai ou um irmão etc.). Ela decide por tirar a vida.
    Se eu soubesse que não era um filme de ficção científica, eu teria gostado e muito do filme, pois eu me focaria mais no bokeh do que na resposta que o filme nunca pensou em responder por se tratar de uma simples metáfora.
    EX: Quando se ouve a história da lebre e da tartaruga, você compreende que a corrida por inteiro é uma metáfora. Não há necessidade de ser verdade a existência de corrida entre tartaruga e lebre. Ao ouvir uma história que você sabe ser uma metáfora, seu objetivo é entender seu significado, e não entender o contexto do que se está sendo falado nela.

    ResponderExcluir

Obaaaa, muito obrigada por comentar, volte sempre! Beijoss!